mengodrueda.com.br | Reajuste abusivo do plano de saúde coletivos
16140
post-template-default,single,single-post,postid-16140,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

Reajuste abusivo do plano de saúde coletivos

Reajuste abusivo do plano de saúde coletivos

23:39 17 novembro in Áreas de atuação
0 Comments Os Planos ...

Os Planos Coletivos não são regulados pela Agencia Nacional de Saúde – ANS, ensejando assim abusos por parte das operadoras de plano de saúde medica que acabam de aproveitado da lacuna da lei para aplicar índices de correções discrepantes acima de qualquer índice inflacionário pratico no pais. Sendo assim a maioria dos usuários de plano de saúde medica que ingressaram no poder judiciário questionando tais aumentos abusivos cerca de 75% dos usuários de plano de saúde saíram vencedoras. De acordo com a pesquisa de 2017, 75% das decisões judiciais suspendem o reajuste por considerá-lo abusivo. Em 2013 o índice era de 82%. "Isso faz acreditar que diante do total de consumidores que tem aumento, poucas procuram o Judiciário, o que faz a prática valer a pena para os planos de saúde, mesmo com as decisões negativas. De acordo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o mercado de planos de saúde conta com 47,5 milhões de beneficiários. Os planos coletivos representam 80% dos contratos. Sendo assim, nosso objetivo é combater as praticas abusivas das operadoras de plano de saúde atinentes aos contratos coletivos com o escopo de reduzir os percentuais de reajustes aplicados .

admin

Escritório Mengod & Rueda advogados

contato@mengodrueda.com.br

Quando ocorrer uma situação adversa e você for forçado a litigar vai querer um advogado ao seu lado com competência e experiência. O escritório Mengod & Rueda advogados especializado na defesa dos beneficiários dos planos de saúde medica e o Estado; visando combater tais condutas cometidas que ferem de forma latente a Constituição Federal. A saúde é direito fundamental do ser humano na qual o estado o dever de garantir condições indispensáveis visando a redução dos riscos de doenças e outros agravos, bem como, acesso universal e igualitário as ações e serviços ao seu pleno exercício. Entre em contato conosco, não cobramos consulta.