mengodrueda.com.br | Reajuste abusivo 59 anos
16157
post-template-default,single,single-post,postid-16157,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

Reajuste abusivo 59 anos

Reajuste abusivo 59 anos

00:05 18 novembro in Áreas de atuação
0 Comments Antes da entrada ...

Antes da entrada em vigor do Estatuto do Idoso, era muito comum os contratos de plano e seguro saúde conterem cláusulas com aplicação de sucessivos reajustes por faixa etária a partir dos 60 anos de idade e, muitas vezes, em percentuais elevados. Com a criação do Estatuto do Idoso, que proibiu a discriminação do idoso pela cobrança de valores diferenciados em razão da idade, a Agência Nacional de Saúde Suplementar editou a Resolução Normativa nº 63/03, a qual determinou que os reajustes por faixa etária serão aplicados em dez faixas, sendo a última aos “59 anos ou mais”. Diante da nova regra, os planos de saúde passaram a aplicar reajustes elevados nesta última faixa etária. Assim, as empresas aproveitam-se que o beneficiário ainda não está protegido pela legislação do idoso e exigem excessivo reajuste aos 59 anos. Trata-se de clara “manobra” das operadoras de saúde, que causa grande desequilíbrio no contrato, em prejuízo aos consumidores. Saiba mais: Reajustes aos 59 anos e os abusos dos planos de saúde Vale ressaltar que o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo já reconheceu a abusividade de cláusulas contratuais que impõem reajustes por faixa etária em percentuais absurdos aos 59 anos de idade. E o Superior Tribunal de Justiça também já decidiu que a mensalidade do plano de saúde não pode ser repentinamente modificada em razão exclusiva da mudança de faixa etária.

admin

Escritório Mengod & Rueda advogados

contato@mengodrueda.com.br

Quando ocorrer uma situação adversa e você for forçado a litigar vai querer um advogado ao seu lado com competência e experiência. O escritório Mengod & Rueda advogados especializado na defesa dos beneficiários dos planos de saúde medica e o Estado; visando combater tais condutas cometidas que ferem de forma latente a Constituição Federal. A saúde é direito fundamental do ser humano na qual o estado o dever de garantir condições indispensáveis visando a redução dos riscos de doenças e outros agravos, bem como, acesso universal e igualitário as ações e serviços ao seu pleno exercício. Entre em contato conosco, não cobramos consulta.